8 coisas que ninguém te conta sobre morar na Irlanda

8 coisas que ninguém te conta sobre morar na Irlanda

Deby Pimentel

10 meses atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Morar no exterior é sonho para muitos, realidade para alguns e, entre as experiências positivas e negativas, há algumas óbvias e outras nem tanto. Listamos alguns itens para você se preparar durante o planejamento da sua viagem.

1 – A Irlanda é fria de verdade

Faz frio mesmo na Irlanda?

Pode levar um pouco mais de tempo para se acostumar ao frio e a umidade. Crédito Depositphotos / olly18

Tá… Todo mundo comenta, reclama – inclusive os próprios irlandeses que, embora acostumadíssimos, aproveitam cada dia de sol como se fosse o último. Ainda mais para os brasileiros, o frio e a umidade são fatores que se pode levar um pouco mais de tempo para se acostumar. Uma curiosidade extra: mesmo com todo o frio, os leprechauns insistem em usar roupas mais leves, coisas que desafiam a ‘friaca’ de brasileiros desavisados.

2 – A dificuldade de encontrar moradia é grande

Encontrar apartamento, casa ou um puxadinho para morar na Irlanda se tornou um tormento. Além disso, alguns brasileiros deixam pra trás a fama de baderneiros, o que não é bem visto pelos irlandeses.
A cidade escolhida também conta. Como toda grande metrópole, morar em Dublin é mais caro – enquanto você tem facilidades com o transporte, comércio e serviços, o preço é altamente proporcional.

A crise se alastrou por todos setores, porém a classe estudantil internacional é uma das mais atingidas, pois com a alta demanda os alugueis não param de subir. Recentemente, irlandeses e estrangeiros foram às ruas em protesto, solicitando ao governo irlandês uma solução imediata para a crise.

3 – A qualidade de vida é boa, mas o custo de vida não é barato

Custo de vida na Irlanda

Custo de vida: parece que as contas não batem e brotam a cada dia sem uma previsão de grana. Crédito: depositphotos / focuspocusltd

Você faz TODAS as contas, mas quando chega ‘na real’, no dia a dia, parece que elas não batem em relação às previsões feitas no Brasil e novas parecem brotar a cada semana – ou dia. Cuidado com as extravagâncias das primeiras semanas. Concentre-se nas prioridades. É muito comum relatos de estudantes que torraram os 3 mil euros obrigatórios em menos de dois meses.

4 – A saudade de casa vai apertar

Sempre entre as mais citadas, a saudade bate: de tudo… Até do vendedor de pipoca da praça – mesmo que você não goste de pipoca, ou nem tenha frequentado a praça do seu bairro. O desafio de viver longe daqueles e daquilo que amamos, no começo parece menor que o desafio do intercâmbio e da nova vida no exterior, mas com o passar dos dias e à medida que todas as dificuldades que as novidades em uma nova cultura batem à porta, a saudade aperta.

5 – Higiene duvidosa

Europeus, em geral, têm fama de não gostarem de tomar banho – e ainda há quem diga que é cultural e histórico. Porém, banho diário e uso do desodorante, definitivamente, não fazem parte do dicionário nem dos hábitos recorrentes de muitos irlandeses, assim como escovar diversas vezes! E vale até mascar chiclete depois da refeição como costume. Acredite, dependendo de onde você morar ou dividir casa, pode haver, inclusive, restrição no número de banhos. É isso mesmo. Um por dia and that’s all.

6 – Você vai pagar pela televisão

Acredite, não é por causa do idioma, mas a maioria da programação dos canais de TV irlandeses é tenebrosa do ponto de vista dos brasileiros. Há, inclusive, uma novela que já dura mais de duas décadas. Você certamente vai estranhar o ritmo e algumas programações podem beirar o tosco. Por outro lado, não se esqueça, os programas televisivos são ótimos para entender a nova cultura e também praticar o ouvido para a nova língua. Vale considerar o esforço.

7 – Saúde pública não é lá essas coisas

Como funciona a saúde pública na Irlanda?

O sistema de saúde é um pouco limitado para estudantes e para atendimento em consultas com clínico geral se desembolsa entre 45 e 60 euros. Crédito: depositphotos / alexraths

Mesmo com o seguro saúde, o sistema é um pouco limitado para estudantes que vivem na Irlanda. O seguro (privado, que deve ser feito desde o Brasil e com apólice em inglês) é exigência e só cobre emergências. Para atendimento em consultas com clínico geral, se desembolsa, em média, entre 45 e 60 euros e, mesmo com seguro, emergências saem por 100 euros. Há uma grande dificuldade de acesso a especialistas no sistema público – quase tudo é resolvido pelo General Practitioner (GP), o nosso famoso Clínico Geral.

8 – As oportunidades de trabalho têm aumentado, mas…

O desemprego tem caído na Irlanda, que prevê mais oportunidades em 2019 (uma ótima notícia). Há, também, indicativos positivos para a contratação de estrangeiros. Porém, não se iluda. É preciso batalhar para conseguir sua vaga. O processo é complexo e repleto de exigências – desde a busca pela vaga, o preenchimento de requisitos até o visto adequado. E não se esqueça, fuja sempre da ilegalidade!

Imagens via Depositphotos
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para jornalismo@e-dublin.com.br

Avatar
Deby Pimentel, Jornalista com MBA em Marketing e Empreendedorismo, Débora Pimentel é uma paulistana apaixonada por fotografia, gastronomia e tecnologia. Uma virginiana que adora novas culturas e desafios. Acredita que a informação é sempre a melhor maneira de transformar sonhos em possibilidades.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar