A Irlanda está ou não imune ao Zika vírus?

A Irlanda está ou não imune ao Zika vírus?

Elizabeth Gonçalves

4 anos atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Reprodução: SBS

Reprodução: SBS

Nas últimas semanas, tanto no Brasil como em outros países da América Latina e Caribe, o Zika vírus têm ocupado posição de destaque nos noticiários. O motivo para tamanho alarde se deve à epidemia causada que tem se alastrado pelo continente.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que em 2016 cerca de 4 milhões de pessoas serão infectadas pelo vírus, e declarou o caso como Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional.

Assim como a dengue, o Zika vírus é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti e, de acordo com cientistas, apesar de raro, o contágio também pode ocorrer por meio de relação sexual.

O vírus também pode ser encontrado em fluidos corporais como saliva e urina. Ainda é desconhecido se ele pode se espalhar por meio dessas vias.

Mas, afinal, corremos o risco de contrair o vírus aqui na Irlanda? Isso é o que vamos responder neste post, além de outras informações importantes para quem está sempre na estrada, tendo acesso a outros países vitimados pela epidemia.

Quais os riscos?

Estima-se que mais de 80% das pessoas infectadas pelo Zika não apresentem sintomas. Estes, quando aparecem, são caracterizados por febre, manchas vermelhas pelo corpo, coceira, conjuntivite, dores musculares e nas articulações. Não há vacina contra o vírus ou medicação específica para tratar os sintomas da infecção, e geralmente eles desaparecem num período de 3 a 7 dias.

Entretanto, o mais preocupante é a possibilidade de o vírus estar conectado com o disparo no número de casos de microcefalia no Brasil. Para se ter uma ideia da dimensão do problema, em 2014 foram comprovados o nascimento de 147 bebês com essa condição. Porém, desde outubro de 2015, mais de 4700 casos suspeitos de microcefalia foram registrados e estão sendo investigados. De acordo com o Ministério da Saúde, até o momento cerca de 500 casos de microcefalia foram confirmados e a maioria está ligada ao Zika.

Reprodução: Children's Hospital

Reprodução: Children’s Hospital

Por esse motivo, a OMS alerta que mulheres grávidas ou que estejam planejando uma gravidez evitem viajar para países afetados pelo vírus. Viajantes para essas regiões também são recomendados a utilizarem repelentes, vestirem calças e camisetas de mangas longas e, quando possível, ficarem em áreas refrigeradas por ar condicionado.

Controle do vírus

Em fevereiro a OMS lançou um plano estratégico com verba de 56 milhões de dólares para combater a epidemia de Zika.

O objetivo é ajudar os países afetados a controlar a reprodução dos mosquitos e também realizar campanhas de orientação e proteção à população, além de prover assistência médica aos afetados e investir no desenvolvimento de uma vacina contra o vírus.

No dia 17 de fevereiro, o embaixador da União Europeia no Brasil, João Gomes Cravinho, anunciou também a liberação de 10 milhões de euros, destinados às pesquisas sobre o Zika vírus.

Reprodução: The Washington Post

Reprodução: The Washington Post

O problema pode afetar a Europa?

Sim! Já houveram três casos confirmados de pessoas com o vírus na Irlanda e também há ocorrências em outros países europeus, como Reino Unido, Dinamarca e Alemanha. Porém, todos esses casos se referem a pessoas que retornaram de viagens a países afetados pelo problema.

Como o Aedes aegypti habita regiões tropicais e sub-tropicais, o clima frio típico do continente europeu é desfavorável ao mosquito. Mesmo assim, há registros de que ele esteja presente na Ilha da Madeira e também em algumas áreas próximas ao Mar Negro.

No continente americano, Canadá e Chile também são áreas onde não há registros do Aedes aegypti, devido às condições climáticas mais frias.

Epidemias na história da Europa

Num aspecto geral, epidemias não se limitam apenas a países da América Latina, África e Ásia. Também não é necessário viajar muito longe na História para relembrar epidemias que chegaram a abalar o continente europeu. Há menos de um século, por exemplo, a Gripe Espanhola matou mais de 20 milhões de pessoas na Europa e se alastrou até os Estados Unidos, Ásia, América Central e do Sul.

Também no século 20, países da Europa Oriental e a Rússia perderam mais de 3 milhões de habitantes com um surto de Tifo, doença transmitida por pulgas, que apresenta sintomas como dores de cabeça, nas articulações, febre alta e erupções cutâneas hemorrágicas.

Também não se pode esquecer que a Europa foi palco de uma das maiores epidemias da história da humanidade, que abateu o continente no século 14 deixando mais de 50 milhões de mortos, entre as razões para o rápido alastramento da doença estavam as precárias condições sanitárias da região na época.

Revisado por Tarcisio Junior
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para jornalismo@e-dublin.com.br

Avatar
Elizabeth Gonçalves, Elizabeth Gonçalves é jornalista viciada em cinema, música e literatura. Paulistana, se apaixonou por Dublin, onde mora há cinco anos e sonha em fazer uma viagem de volta ao mundo.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar