Austrália se torna destino de intercâmbio mais barato com alta do dólar e euro

Austrália se torna destino de intercâmbio mais barato com alta do dólar e euro

Rubinho Vitti

1 ano atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Os brasileiros que estão pensando em fazer intercâmbio hoje precisam quebrar a cabeça para encontrar um destino certo que caiba nos planos financeiros. Por conta da desvalorização do real, isso está cada vez mais difícil.

Mesmo com o sonho de morar nos Estados Unidos e Europa, muitos preferem mudar o destino para onde a variação da moeda não é tão grande. Assim, a Austrália surge como uma opção no horizonte. O dólar australiano está, atualmente, na casa dos R$ 2,70, bem mais vantajoso em relação ao americano ou ao Euro.

Custo-benefício faz da Austrália destino perfeito

Dólar australiano mais barato que outras moedas de países comuns para intercambistas faz da Austrália a primeira procurada pelos brasileiros para viver fora. Foto: Depositphotos

Dólar australiano mais barato que outras moedas de países comuns para intercambistas faz da Austrália a primeira opção procurada pelos brasileiros para viver fora. Foto: Depositphotos

O custo de vida na Austrália não difere muito de outros países conhecidos pelo turismo, mas, com o dólar australiano sendo bem mais em conta que o euro e o dólar americano, o estudante brasileiro pode economizar bastante.

Segundo o site Austrália Brasil, que atua há 20 anos no mercado de intercâmbio, um estudante brasileiro vai gastar, em média, 250 dólares australianos (cerca de R$ 675 por semana ou R$ 2.700 ao mês) vivendo naquele país, entre moradia, transporte, alimentação, comunicação e outros custos. Não é à toa que quem está por lá parece não querer ir embora tão cedo.

Localização muda radicalmente gastos na Austrália

Cidade de Adelaide, no sul da Austrália, é escolhida para viver por ser a mais barata do país em custo-benefício. Foto: Depositphotos

Cidade de Adelaide, no sul da Austrália, é escolhida para viver por ser a mais barata do país em custo-benefício. Foto: Depositphotos

Assim como na Irlanda, onde há mudanças gritantes entre viver em Dublin ou no interior, na Austrália, escolher entre Sydney e cidades menores faz uma grande diferença.

A capital australiana é a segunda cidade mais cara do mundo para se viver, segundo levantamento anual de habitação internacional, realizada pelas organizações Performance Urban Planning e Demographia.

Porém, o país também oferece opções para orçamentos mais modestos. É possível, por exemplo, optar por Brisbane, considerada a segunda cidade mais barata para se viver. Mesmo menor, existem opções de escolas, vida cultural e cosmopolita, além da beleza.

Em primeiro lugar, entre as mais baratas, está Adelaide, outra opção que vem crescendo nos planos dos estudantes. Ela ainda possui belas praias para se usufruir durante o intercâmbio. Ainda na lista constam Gold Coast e Perth, cidades boas e mais baratas que as metrópoles.

Salário mínimo na Austrália é valorizado e moeda tem bom poder de compra

Sydney, capital da Austrália, é a segunda cidade mais cara de se viver no mundo, atrás apenas de Hong Kong. Foto: Depositphotos

Sydney, capital da Austrália, é a segunda cidade mais cara de se viver no mundo, atrás apenas de Hong Kong. Foto: Depositphotos

Com custo de 250 dólares australianos semanais, seria possível ter uma vida confortável trabalhando na Austrália? É possível! O salário mínimo na Austrália é 18,29 dólares australianos, quase o dobro, em números, do salário mínimo na Irlanda, 9,55 euros por hora, e quase o quádruplo do Brasil, R$ 5 por hora.

Mas, se estamos falando na conversão entre reais e dólares australianos, essa diferença só aumenta. Afinal, em reais, o mínimo australiano beira os R$ 50 por hora, dez vezes mais que o atual no Brasil.

O site Rota do Canguru fez um estudo e relatou que quem trabalha na Austrália ganha sete vezes mais do que quem trabalha no Brasil. O custo-benefício, seja para comprar comida, seja para um iPhone, por exemplo, é bem maior. Tudo isso faz com que a Austrália esteja entre os melhores países para se viver.

Valorização do real depende de fatores políticos e econômicos

De acordo com publicações especializadas no mercado financeiro, a valorização do real depende de muitos fatores, como o aquecimento da economia e a estabilidade política. Assim, apenas no próximo ano será possível ter uma visão, ainda turva, sobre se esses dois fatores vão melhorar no Brasil e refletir a valorização da nossa moeda.

Mesmo assim, os intercambistas não deixam de realizar o sonho do intercâmbio. É possível economizar para conseguir chegar lá.

Além da Austrália, outros países estão de portas mais abertas para intercambistas. Entre eles estão Canadá e Nova Zelândia. Por isso, é só preciso pesquisar, organizar e saber exatamente quanto será necessário gastar para estudar fora do país. Impossível nunca é!

Imagens via Depositphotos
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para jornalismo@e-dublin.com.br

Avatar
Rubinho Vitti, Rubinho Vitti é jornalista de Piracicaba, SP. Vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar