Como a Irlanda se comporta em relação a portadores do HIV?

Como a Irlanda se comporta em relação a portadores do HIV?

Colaborador E-Dublin

3 anos atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

shutterstock_338480585

Crédito: Shutterstock

Você sabia que atualmente cerca de 80 países negam completamente, restringem ou deportam portadores do HIV? Aplicantes de visto geralmente respondem a perguntas específicas sobre saúde em formulários de assuntos gerais, porém, alguns países, além do formulário, submetem viajantes a exames de sangue, no intuito de identificar doenças. Caso o resultado do teste seja positivo, ou o viajante esteja portando frascos de anti-retrovirais, muito provavelmente isso lhe causará a recusa da entrada ao país e deportação.

Na imagem abaixo, podemos ver as diferentes restrições para a entrada de soropositivos em alguns países, sendo elas:

mapa

De verde, estão os 130 países livres de restrição, como Brasil, Canadá, Reino Unido e Irlanda;
De amarelo, 46 países que impõe algum tipo de restrição, como Austrália ou Paraguai
De laranja, países que deportam quando descobrem estrangeiros portadores do HIV;
De laranja escuro, países que pedem exames de sangue;
De vermelho, países que negam visto, como Egito, Iraque e Singapura.

Mas discriminação não é crime?

Sim, claro que é, porém quando o assunto tange as barreiras imigratórias, cada país tem autoridade e regulamenta como quiser quem entra e sai do seu território. Felizmente, os portadores do HIV venceram uma importante etapa contra o preconceito, quando Estados Unidos, China e Ucrânia retiraram as restrições existentes, facilitando ainda mais o procedimento do visto.

E a Irlanda, como procede?

A Irlanda, assim como o Brasil, não nega nem restringe a entrada de soropositivos em seu território. Caso você seja contaminado em terras irlandesas ou já seja portador do vírus, saiba que aqui, sendo irlandês ou não, e independentemente de onde você tenha sido infectado, o tratamento é gratuito.

Exames

shutterstock_264159707

Crédito: Shutterstock

Existem alguns lugares em que o teste pode ser feito gratuitamente em Dublin. O exame de DSTs pode ser realizado no St. James Hospital. Para consultar horários para agendamento de consultas em diferentes especialidades, basta acessar o site do Hospital. Os exames demoram cerca de 15 dias para ficarem prontos. Já na categoria de exames pagos, as clínicas para mulheres, como a Well Woman Centre e Marie Stopes (que realizam exames para homens, também) fazem testes instantâneos para HIV e custam 50 euros.

Tratamento

O tratamento do HIV é feito em diversas etapas. Nas “HIV Clinics” o paciente receberá apoio psicológico, nutricional, acompanhamento com médicos e enfermeiras especializadas e, se precisar, de apoio espiritual – muitas delas contam com padres.

Além de todo o acompanhamento, o tratamento feito pela rede pública irlandesa é gratuito, desde as consultas, passando pela medicação e até mesmo hospitalizações. Já pelo plano de saúde (Aviva, VHI, etc), as consultas e hospitalizações (necessárias) são pagas, enquanto a medicação continua sendo gratuita.

Leis

shutterstock_140867215

Crédito: Shutterstock

Outro ponto importante é que casos de discriminação e repúdio a soropositivos são punidos com o rigor da lei, assim como qualquer outro tipo de discriminação ligado à raça, religião, gênero ou orientação sexual. Soropositivos que sejam discriminados no ambiente de trabalho, acadêmico ou em seu círculo social, podem fazer a denúncia em qualquer posto de atendimento da Garda.

Aqui na Irlanda, também não existe nenhuma lei que obrigue o portador do HIV a revelar seu estado de saúde no trabalho, para familiares, amigos, barbeiros, tatuadores e mesmo o atual parceiro. Contudo, a cartilha de aconselhamento a soropositivos recomenda que neste último caso, o parceiro saiba de sua condição de saúde, alertando sobre inúmeros casos de ações judiciais ligadas à contaminações acidentais, que resultaram em indenizações exorbitantes e penas a serem cumpridas na cadeia.

Mais informações

Para saber quais clínicas atendem soropositivos e obter mais informações à respeito de diversos outros assuntos relacionados à doença, basta acessar a cartilha que o governo irlandês fez para guiar os portadores nesse momento tão delicado.

Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para jornalismo@e-dublin.com.br

Avatar
Colaborador E-Dublin, Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar